FT-CI

México: rebelião operária em Sicartsa

A luta mineira e o regime de alternância

08/05/2006

A rebelião operária de SICARTSA e as contradições da “alternância”

Por Martín Juárez

No dia 20 de abril as imagens da heróica resistência dos trabalhadores siderúrgicos de Sicartsa - complexo Las Truchas (propriedade do grupo Villacero), no porto de Lázaro Cárdenas, Michoacán, percorreram o país e foram difundidas no continente.

Chegou-se a esta situação quando depois da tragédia de Pasta de Conchos (ver o artigo seguinte) o governo deslegitimou Napoleón Gómez Urrutia como dirigente do sindicato mineiro-metalúrgico, impondo Elías Morales neste posto (ainda que nos anos prévios garantiu os planos patronais, havia tido tensões com setores da patronal mineira). Este ataque ã autonomia sindical despertou o repúdio operário e provocou ações de protesto do sindicato. Nos dias 01 e 02 de março os 270,000 trabalhadores realizaram uma paralisação nacional; a participação operária defendia, não tanto o “seu” dirigente, senão a sua organização, e expressava o repúdio ante as mortes de seus companheiros e ante o ataque a suas condições de trabalho. Nas semanas seguintes houve greves em empresas mineiras (Nacozari, Sonora), e siderúrgicas como em Lázaro Cárdenas), rechaçando a ingerência de Fox.

Neste contexto, desde o dia 02 de abril os trabalhadores de Sicartsa foram ã greve, e depois de 19 dias cerca de 800 policiais sob a ordem do governo federal panista e do governo federal perredista, quiseram desalojá-los com gases lacrimogêneos e balas de borracha, provocando uma rebelião operária que - numa luta desigual e lançando mão do que estava a seu alcance - freou o desalojamento e gerou um movimento de solidariedade nesta cidade (onde há estaleiros, minas e fábricas de fertilizantes, que nos anos prévios protagonizaram várias lutas), com o qual centenas de trabalhadores de outras empresas se somaram à luta. Depois de 6 horas de enfrentamentos, e quando já haviam sido assassinados dois trabalhadores (José Luis Castillo Zúñiga, trabalhador da Sicartsa, e Héctor álvarez Gómez, representante sindical em Mital Steel) e já havia mais de 40 feridos, o governo de Fox ordenou o recuo. Isto porque ao não deter a resistência dos grevistas, a rebelião poderia se transformar em uma semi-insurreição urbana encabeçada pela classe operária, com impensáveis conseqüências na região e no país.

Esta ação mostrou que os trabalhadores mineiros e metalúrgicos ocupam a vanguarda da luta de classes, e que há um novo estado de ânimo no movimento operário. Isto é parte de um processo iniciado em fins de 2003 com as marchas dos eletricistas, a paralisação nacional de 318/2004 e as lutas dos trabalhadores do Instituto Mexicano de Seguro Social (IMSS), nas quais uma vanguarda enfrentou o burocrata Vega Galina (mostrando o incipiente surgimento de fenômenos pela esquerda dos grandes aparatos sindicais), e que continuou nas mobilizações de fevereiro e março de 2005. Depois de anos de passividade e de estar aprisionado por suas direções burocráticas, setores da classe operária começam a ocupar um lugar destacado na luta de classes.

Hoje os trabalhadores mantêm a greve e o controle de parte da fábrica, enquanto a Polícia Federal Preventiva e a Armada permanecem em pontos “nevrálgicos” do porto e em áreas da empresa. Enquanto isso continuam as negociações entre a Secretaria de Governança (que substituiu a desprestigiada Secretaria de Trabalho) e o sindicato para levantar o conflito.

Para além de como vai terminar, por ter-se mantido em greve por mais de 20 dias numa empresa chave (Las Truchas é o principal complexo acerero do continente), pela radicalização de seus métodos (enfrentando uma selvagem repressão e evitando a derrota pelo desalojamento), pela solidariedade existente entre os trabalhadores da zona por ter-se mostrado que se pode enfrentar os ataques do governo, a rebelião de Sicartsa é um verdadeiro marco na luta do movimento operário dos últimos anos, que pode ter importantes conseqüências em outros setores do proletariado e na mesma situação nacional.
O que está por ver-se é se a rebelião de Sicartsa empurra ao surgimento de novas lutas operárias e populares que compliquem a situação do governo e a própria transição eleitoral.

Vulnerabilidade do governo e crise política

O ataque de Fox contra o sindicato, que deu um salto com a tentativa de desalojamento de Sicartsa, ao não ter triunfado está gerando o efeito contrário do buscado: maior vulnerabilidade do governo em sua “reta final” para as próximas eleições presidenciais. Setores do regime (como o PRI) questionam sua “incapacidade política” para resolver o conflito, e outros colocam que “depois do enfrentamento as coisas estão como na manhã de quinta-feira, os trabalhadores têm o controle da fábrica”. Tanto que a patronal lançou uma ofensiva ultra-reacionária promovendo atas contra os operários por despojo e terrorismo. A repressão e a morte de dois trabalhadores acrescentaram desprestígio e descontentamento junto ao movimento de massas; descontentamento que impulsionou as direções sindicais da Unión Nacional de Trabajadores e as priistas CROC y CROC (todas integrantes da recém formada Frente Nacional por la Unidad y la Autonomía Sindical) a anunciar uma paralisação de 12 horas no dia 28 de abril.

Esta importante polarização política se expressa em um contexto e disputas entre “os de cima” frente ás eleições.
O oficialista Partido Acción Nacional seguramente sairá golpeado pelos efeitos da repressão de Sicartsa e um debilitamento do governo, e seu candidato, - que não despontava como vencedor das eleições - pode cair mais.
O PRI, principal pilar do regime, arrasta uma importante crise, e seu candidato, Roberto Madrazo não desponta nas pesquisas. Como pano de fundo disso está o desprestigio junto aos trabalhadores e os camponeses, que pode levar a que setores da burocracia abandonem o PRI e passem ao PRD, ou a novas rupturas (uma primeira cisão foi a de seu dirigente no magistério, Elba Esther Gordillo). Para a classe dominante é alarmante que as lutas operárias ocorram em meio de uma crise dos aparatos sindicais priistas, como o Congreso del Trabajo (CT) e a CTM cuja base está no desprestígio do charrismo entre os trabalhadores e que é acicateada pela ofensiva do próprio governo. Isto se dá porque os elementos de crise nas instituições do regime podem ser aproveitados pelos trabalhadores para sair a lutar contra o ataque do governo.

O ascenso eleitoral do PRD

Neste contexto de instabilidade e desprestígio do regime, o candidato perredista, Andrés Manuel López Obrador (AMLO) vinha capitalizando o descontentamento e a crise do PRI e do PAN, com um discurso antineoliberal que gerou simpatias entre os oprimidos e explorados.

As lutas operárias, as mobilizações do EZLN em todo país, junto ao movimento democrático de massas que em março de 2005 derrotou a intentona bonapartista de Fox, o PRI e o PAN para proibir o candidato perredista, expressaram mudanças no estado de ânimo e uma evolução ã esquerda de grandes setores das massas. Este processo também se expressou, passiva e distorcidamente, no crescente apoio popular ao AMLO. Este crescimento do PRD, que avançou em direção a um posicionamento mais moderado para tranqüilizar os capitalistas (integrando a ex priístas), se favoreceu da política das direções operárias “opositoras” que levaram água ao moinho do PRD. A última prova de que o PRD está a favor dos capitalistas foi a repressão em Michoacán, governado pelo perredista Cárdenas Batel.

A possibilidade de um governo “progressista” é visto pela burguesia e o imperialismo como uma opção para conter o descontentamento popular, já que o PRD, para além da sua retórica, continuará com o essencial de uma política econômica favorável para as transnacionais. Frente ao processo eleitoral o PRD se joga a desviar as aspirações populares sob a ilusão num governo anti-neoliberal, que ajudaria a legitimar novamente o regime de alternância.

TODO APOIO AOS TRABALHADORES DE SICARTSA

Por um primeiro de maio de unidade e luta operária
Nos últimos meses o descontentamento empurrou reorganizações entre o sindicalismo opositor (como o surgimento da Frente Nacional por la Unidad y la Autonomía Sindical) e chamados a ações de protesto, enquanto que as direções do SME e da UNT apostavam no triunfo eleitoral do PRD (integrando alguns de seus dirigentes ás listas do mesmo). O EZLN, que em 2005 convocou a “outra campanha” corretamente criticou o PRD e o charrismo. Entretanto, se manteve por fora das mobilizações do SME e da UNT, caindo em uma proposta sectária, em lugar de lutar por uma política alternativa no interior das mesmas.

Desde a LTS pensamos que a heróica luta de Sicartsa e a selvagem repressão do governo que provocou duas mortes operárias, exige impulsionar uma mobilização unificada de todo movimento operário e popular, com um verdadeiro plano de luta, com independência dos partidos do regime (responsáveis pela repressão como o PAN ou o PRD em Michoacán e cúmplices da tragédia operária de Pasta de Conchos, como o PRI). Há que demonstrar a força da classe trabalhadora e sair ã ofensiva contra o ataque do governo.

Desde a LTS-CC pensamos que A PRIMEIRA E IMEDIATA TAREFA é a mais ampla solidariedade com os companheiros de Lázaro Cárdenas. Para freiar a repressão e conquistar as demandas operárias, a direção do Sindicato Minero tem que convocar a paralisação nacional; e por sua vez, os sindicatos e organizações políticas, camponesas e populares, como o SME, a UNT e “La otra campaña” devem chamar a mobilização em todo país.

Há que preparar uma grande paralisação nacional em solidariedade, para obrigar a retirada imediata do exército, conseguir o julgamento e castigo dos mandantes e executores da repressão e do assassinato dos dois companheiros trabalhadores, levantar as demandas das famílias e mineiros de Pasta de Conchos, contra a ingerência do governo nos sindicatos e pela sua democratização nas mãos dos trabalhadores.

A paralisação nacional para o dia 28 de abril deve ser garantida em todos os centros de trabalho. Este 1° de maio deve ser uma jornada de luta unitária, classista e internacionalista, com uma grande mobilização unificada. E continuá-la com um Encontro Nacional de Organizações operárias, camponesas e populares, com delegados de base, para tirar um plano de luta. Convocamos aos setores operários que se reclamam combativos (como os trabalhadores de “la otra campaña” que impulsionam o Encontro Operário), a impulsionar unitariamente esta política na mobilização que o SME e a UNT realizarão neste 1° de maio, e também no seio das organizações operárias.

  • TAGS
Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)