FT-CI

México

Ações operárias e eleições no México

10/06/2006

Ações operárias e eleições no México

Por: Mario Caballero
Fonte: La Verdad Obrera N° 189

Quando se aproximam as eleições presidenciais se desenvolvem mudanças na situação política mexicana que têm como protagonistas aos trabalhadores e a juventude. Neste 1° de maio, milhares de trabalhadores tomaram as ruas do Distrito Federal e de outras cidades, protestando por suas demandas e em solidariedade com os irmãos imigrantes que se mobilizavam nos Estados Unidos. As importantes ações operárias deste ano não caem do céu, e sim são o resultado de um processo que começou em 2003 com as mobilizações dos eletricistas, e com as lutas do Seguro Social em 2004 e 2005. Frente ã ofensiva de Vicente Fox contra o sindicato metalúrgico mineiro, desde fevereiro de 2006 saíram ás ruas milhares de trabalhadores. O desemprego nacional mineiro (ver “A tragédia de Coahuila”, LVO 182) e as greves em vários estados, junto ã solidariedade de trabalhadores da saúde, eletricistas, telefonistas e universitários, mostraram que a classe operária começa a se levantar para defender suas conquistas.

No entanto, a rebelião de Sicartsa (ver “Rebelião Operária”, LVO 186) foi o grande salto na ação operária. Pondo de pé novos e radicalizados métodos de luta, enfrentando ás forças de repressão, e entrando em greve para conseguir suas reivindicações. Hoje a classe operária mexicana começa a ser protagonista da luta de classes, e Sicartsa mostra que nosso país se vai pondo em sintonia com a ação dos trabalhadores em outras latitudes, como na França, nos Estados Unidos, na Bolívia e na Argentina.

A repressão na Atenco

À medida que se aproximavam as eleições presidenciais, o governo de Fox em acordo com o PRI e o PRD, decidiram disciplinar aos trabalhadores que, descontentes com esta transição “democrática” que só favoreceu aos ricos, se mobilizam por seus direitos. Assim, a polícia do Estado de Michoacán, a cargo do perredista Cárdenas e a Polícia Federal Preventiva (PFP) desatou a repressão contra os mineiros na Sicartsa. No mês de maio na Atenco as polícias municipal, estatal e federal, lançaram uma brutal repressão que custou a vida de um rapaz de 14 anos e 207 detidos. Os detentos são homens, mulheres e meninos e as colegas denunciaram que foram golpeadas e violadas pelos polícias. Houve dezenas de estudantes, camponeses e moradores desaparecidos, e a PFP tomou o controle de toda a população. A selvagem repressão instrumentada pelo governo e os partidos patronais mostrou mais uma vez o caráter anti-democrático, anti-operário e anti-popular deste regime da alternância.

No seio da juventude e do movimento estudantil, surgem novos sectores combativos que vêem a necessidade de tomar as ruas, denunciar os partidos patronais e ás reacionárias instituições desta “democracia” para os ricos. Esta juventude, que tem como referência política o EZLN, se mobilizou neste 1° de maio na marcha de “La Otra Campaña” contra a repressão e hoje continua em pé de luta pela liberdade dos presos e contra a brutalidade das forças repressivas. Depois destas mobilizações, parte importante dos detentos foram liberados (muitos deles prévio pagamento de fiança) enquanto outros continuam presos. Ao não conseguir o objetivo de acalmar os protestos, isto gerou um efeito contrário ao procurado: maior vulnerabilidade do governo na sua “reta final” para as eleições.

Fox acumula um novo tropeço em sua tentativa de avassalar os direitos operários e populares, que se somam ao retrocesso da Atenco. Está ainda para ver-se se a rebelião de Sicartsa empurra para novas lutas operárias que compliquem mais a situação do governo e a própria transição eleitoral. Enquanto sindicatos opositores e várias organizações sociais e políticas realizarão no dia 2 de junho uma grande marcha para a Cuidai de Toluca contra a política repressora de Fox e pela liberdade dos presos da Atenco e preparam ações contra o governo. Igualmente, o sindicato metalúrgico mineiro (que mantém em greve três empresas) anunciou desempregos escalonados para pressionar ã solução do conflito com o governo, que contarão com ações de solidariedade de outros sindicatos. O debilitamento de Fox e a polarização política se dão num marco de disputas entre “os de cima”, que podem ser aproveitadas pelos trabalhadores.

Eleições presidenciais e a alternativa burguesa do PRD

Neste contexto, o oficialista PAN (que subiu sua intenção de voto nas últimas semanas) e o PRD, são quem têm mais possibilidades de chegar ao governo, enquanto o PRI passa por uma importante crise, se localizando no terceiro lugar e com o aparecimento de setores internos que se inclinam publicamente pelos candidatos do PRD e do PAN. Isto é uma antecipação de que o desprestigio entre trabalhadores e camponeses pode levar a que setores da burocracia abandonem o PRI e passem ao PRD, ou que se dêem novas rupturas.

Um elemento essencial desta crise, que abarca a todo o regime, são as pugnas e crises recorrentes no aparelho sindical priísta, como o CT (Congresso do Trabalho) e a CTM (Central de Trabalhadores Mexicanos). A causa disto está no desprestigio dos burocratas sindicais, e para a burguesia é preocupante que as lutas operárias ocorram neste contexto.

Nesta tentativa de desvio eleitoral é definidor o papel do PRD. Frente ao desprestigio do regime, López Obrador aparece ante milhões de trabalhadores como uma alternativa frente ao PRI e o PAN, a partir de seu discurso anti-neoliberal e de oposição. Mas o PRD demonstrou, ali onde governa, preservar os interesses dos capitalistas e ser contrário ã resolução das demandas operárias e populares. Por isso aparece como uma oposição “responsável” frente as multinacionais e inclusive tem ex priístas em suas listas. Isto se viu recentemente na política repressiva do governador perredista de Michoacán frente ã rebelião operária de Sicartsa.

Para além das brigas entre os candidatos, o PRD, longe de ser uma ameaça para a patronal, pode ser a melhor carta para restaurar a legitimidade do regime da alternância e dar-lhe continuidade, gerando ilusões entre os milhões de trabalhadores e camponeses descontentes com o foxismo e o PRI-PAN, de que votando em López Obrador irão se resolver as aspirações populares. No entanto, e apesar disto, não se pode descartar que as próximas eleições estejam cruzadas por acusações de fraude e disputas ferozes entre setores do regime, alimentadas por uma provável escassa diferença de votos entre o PRD e o PAN. Já o PRI e o PRD estão acusando o PAN de preparar uma “eleição de Estado”.

Desde a LTS-CC viemos impulsionando uma ampla campanha de solidariedade com os mineiros e suas famílias, desde a tragédia de Pasta de Conchos, participando da mobilização em apoio ã rebelião operária na Sicartsa e contra a repressão na Atenco. Colocamos a necessidade de que os sindicatos se somem à luta pela liberdade dos presos políticos -já que se limitaram a moções de solidariedade- avançando no caminho da unidade operária, camponesa e popular contra a repressão e os planos do governo. Ao mesmo tempo, chamamos a “La Otra Campaña”, que está impulsionando importantes mobilizações pela Atenco, que convoquem o Sindicato Mexicano de Eletricistas, a Central Nacional de Trabalhadores da Educação e a UNT a se somarem à luta, já que não são suficientes as ações convocadas pelo EZLN. Nossa proposta se chocou com o sectarismo da direção zapatista, que se nega a impulsionar a mais ampla unidade de ação.

Frente as eleições, estamos convocando as organizações de esquerda, os trabalhadores classistas e as organizações da “La Otra Campaña”, a uma intervenção conjunta e com independência dos partidos do regime. Recentemente publicamos uma “Proposta Aberta” aos trabalhadores, a juventude e as organizações de esquerda, propondo discutir sobre a urgência de construir uma grande organização revolucionária, dirigindo-nos especialmente aos colegas com os quais, na juventude e no movimento operário, participamos conjuntamente com uma política classista e combativa.

Mario Caballero é Dirigente da Liga dos Trabalhadores Socialistas - Contra Corrente do México


PRI: Partido da Revolução Institucional, governou o país desde finais da década de 1920 até o ano 2000. Este longo período é conhecido como “priato”. Apresenta como candidato para as próximas eleições presidenciais Roberto Madrazo Pintado. PAN: Partido de Ação Nacional, de centro direita, do qual é membro o atual presidente Vicente Fox. PRD: Partido da Revolução Democrática, partido de centro-esquerda. Apresenta como candidato para as próximas eleições presidenciais Andrés Manuel López Obrador. La Otra Campaña: organizada pelo EZLN (Exército Zapatista de Libertação Nacional), liderada por Marcos. Reúne organizações sociais e políticas e setores da juventude.

  • TAGS
Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)