FT-CI

Debate com o Partido Obrero (Argentina)

Altamira vota por Evo Morales, o aliado de Lula, Kirchner e Chávez

11/12/2005

Altamira vota em Evo Morales, o aliado de Lula, Kirchner e Chávez

Por: Eduardo Molina

As eleições de 18de dezembro na Bolívia, com uma possível de Evo Morales, tem importância continental. Depois de cinco anos de embates de massas desde a “Guerra da água” de 2000, com dois grandes levantamentos de características insurrecionais em Outubro de 2003 que derrubou o massacrador “Goni” e este ano as Jornadas de Junho que terminaram com seu sucessor “progressista” Carlos Mesa, na Bolívia está aberto um processo revolucionário de significado histórico. A classe dominante montou o “desvio eleitoral” para canalizá-lo para as urnas. Mas este “desvio” não teria prosperado sem a colaboração do MAS [1], que como em todo momento crítico jogou seu peso para conter a força das massas e a garantir a continuidade do regime burguês.

Compreendemos as ilusões de muitos companheiros que vêem num governo do MAS a possibilidade de “refundar o país” e compartilhamos seu ódio por Tuto Quiroga e Doria Medina, políticos burgueses vendidos ao imperialismo. Sabemos que entre muitos irmãos da comunidade boliviana na Argentina Evo Morales desperta expectativas. Mas alertamos: o MAS se presta a prosseguir na tarefas de salvaguardar o Estado burguês desde o “Palacio Quemado”.

Ainda que se apresente um triunfo de Evo como “acesso ao poder de um indígena pela primeira vez na história da Bolívia e América Latina”, o certo é que seu governo não será um governo dos trabalhadores, nem representará os interesses dos camponeses pobres e dos povos originários. Evo quer fechar o caminho aberto em Outubro e Junho, o da mobilização em direção ao poder dos trabalhadores, o único capaz de garantir a nacionalização do gás e as demandas operárias e populares, inclusive o direito a uma Assembléia Constituinte verdadeiramente livre e soberana, vale dizer revolucionária. Por isso, ante a ausência de uma alternativa política operária e socialista, os socialistas revolucionários chamamos a votar em branco ou nulo, e a seguir lutando pela organização política independente dos trabalhadores.

Na Argentina, os dirigentes do Partido Obrero escreveram mais de uma vez sobre o papel de contenção reformista do MAS. Mas agora Jorge Altamira chama a “votar em Evo Morales e no MAS” [2]. Adota assim uma posição similar ã de grupos de esquerda oportunistas como o MST argentino, que também apóia ao MAS. Isto não é uma “questão tática” senão um problema político fundamental - a chegada ao governo da “frente popular” de colaboração de classes com a burguesia que encarna o MAS - quando o processo boliviano é um teste para todas as correntes de esquerda que se reclamam revolucionárias.

Evo Morales: colaboração frente-populista com a burguesia

Em vários artigos os dirigentes do PO insistiram que a Bolívia vive uma “etapa revolucionária” e criticaram o MAS considerando que “o crime de Evo Morales [3]” é a permanente salvaguarda do regime burguês. Para Altamira as eleições “são a expressão da incapacidade do imperialismo de derrotar as massas pelas vias tradicionais”. Mas o que diz Altamira é que precisamente quando a burguesia não está em condições de “derrotar as massas pelas vias tradicionais” mediante o golpe bonapartista ou o fascismo; surge a frente-popular como recurso contra as tendências revolucionárias. Como dizia Trotsky, a função histórica da frente-popular é salvar o capitalismo (inclusive ao custo de algumas reformas), possibilitando a derrota da revolução sem necessidade de apostar na guerra civil. Se fracassa em restabilizar a situação, então ao menos haverá ganhado tempo, confundindo as massas, para que a burguesia recupere forças e prepare a “solução final” fascista. A este respeito a história do Século XX, e em particular a latino-americana está cheia de amargas lições que o proletariado pagou com sangue e derrotas.
Causa estranhamento que Altamira e o PO falem tanto de enfrentamento entre revolução e contra-revolução e “esqueçam” convenientemente que o candidato a cumprir o papel de frente-popular é o MAS.

Evo Morales e García Linera [4] mantêm uma aliança política com “ a sombra da burguesia”, isto é com elementos empresariais e da burguesia industrial e comercial e seus “representantes de esquerda”: padres, “profissionais” e cerca de 300 ONG’s que colaboram com o MAS (muitas delas ligadas ã “cooperação européia” e ã igreja”).

O MAS subordina aos “movimentos sociais” que dirige e suas demandas, a esta aliança para “humanizar” o capitalismo semi-colonial boliviano. Trata-se de “dar ã economia boliviana novamente uma cabeça em torno do Estado. E, ao redor desta cabeça, articular investimento estrangeiro, investimento privado local, setores camponeses, comunitários e micro-empresariais artesanais em uma perspectiva de shock productivo”. [5]
Para isso defende um programa de governo declaradamente burguês, com algumas reformas semi-nacionalistas/desenvolvimentistas. Não detalharemos este programa, mas basta dizer que transforma a demanda por nacionalização do gás em uma simples negociação de contratos petroleiros; mantém a Lei INRA de contra-reforma agrária, oferece algumas tímidas reformas políticas e culturais como paliativo ã secular opressão. Quanto ás demandas operárias, poderia resumir-se em que é “tudo para os empresários, nada para os trabalhadores”, pois em 185 páginas não figuram o “aumento de salários” nem o “direito ã sindicalização”, ainda que não se esqueça de promover a “capacitação e formação de cultura empresarial (baseando-se em casos bem-sucedidos de empresários bolivianos)”.
É certo que uma parte considerável da burguesia e o imperialismo é hostil a um governo de Evo (ainda que outros, como os “governos amigos” de Lula, Kirchner e Chávez além de um setor do imperialismo europeu o apóiem). É possível que o intento de renegociar os contratos petroleiros dê lugar a tensões maiores, mas o que temem a reação e Washington não pe tanto a Morales, senão o movimento de massas em ascenso que movido por suas mesmas ilusões poderia escapar do controle do MAS.

Em todo caso isto demonstra que a frente-popular nas semicolonias pode ter importantes choques com a reação e o imperialismo. Naturalmente, ante o ataque contra-revolucionário estamos na mesma trincheira militar de um Salvador Allende, ou hoje de um Chávez ou vo Morales, mas sem brindar-lhe com o menor apoio político. Em concreto, estamos junto ás massas para alentar a luta por suas reivindicações, defendemos seu direito democrático a votar a quem queira e contra qualquer conspiração dos “cívicos” [6], PODEMOS [7], a Embaixada dos EUA, e os “fatores de poder” para impedir o acesso do MAS ao governo sem ganhar as eleições; mas não lhe damos nem sombra de apoio político, nem sequer “crítico”, como fazem o PO e a CRCI.

Uma recaída na teoria menchevique [8] e lambertista [9] dos campos

Escreve Altamira que “No choque (...) entre a candidatura do MAS e o imperialismo e a oligarquia local, a única posição revolucionária admissível é ao lado do MAS contra o imperialismo, mas não com a política ou a estratégia do MAS, senão com uma política e uma estratégia realmente antiimperialistas. Esta é a peculiaridade das eleições próximas na Bolívia”. Este tipo de raciocínio substitui o ponto de partida marxista da posição de classe por uma concepção de “campos enfrentados”, entre os que há que eleger sim ou sim. Assim operou sempre o oportunismo para justificar seu apoio mais ou menos crítico ao “mal menor”, argumentando que não havia que “isolar-se das massas”, que “as forças dos revolucionários eram débeis” e que “não haveria tempo para construir um partido revolucionario” [10].

Durante a Revolução Espanhola, Andrés Nin e o POUM [11], cediam ao “campo republicano” para enfrentar ao “campo fascista”. Por isso, depois de criticar muitas vezes corretamente aos partidos reformistas, chamaram a votar na Frente Popular em 1936 e terminaram somando-se ao governo burguês republicano (do qual Nin foi Ministro da Justiça) com o argumento da “situação excepcional” e “para não ficar ã margem das massas” e apresentar “seu próprio programa”. Esta política, justificada na situação “peculiar” espanhola era centrismo puro, isto é, poumismo oposto pelo vértice ã política trotskista, que defendia a necessidade de estar no mesmo campo militar da república contra o fascismo, porém sem deixar de travar o combate político contra as direções traidoras. Por isso, Trotsky em plena guerra civil dizia que nas Cortes (Parlamento) não votaria o pressuposto militar do governo republicano, pois isto equivaleria a brindar-lhe apoio político. Só assim era crível sustentar uma política e uma estratégia distintas ás da Frente Popular.

Na França, a corrente lambertista justificou com esta “teoria dos campos” sua negativa em combater ao governo social-imperialista de Miterrand nos anos 80. Seguramente muitos militantes do PO conhecem estas experiências. Lhes perguntamos com o intuito de ajudar a refletir: que política corresponde aplicar na Bolívia, a de Nin e Lambert ou a de Trotsky? Como Lora, Altamira se justifica com a “situação excepcional” e “peculiar” da Bolívia, mas a principal diferença neste exemplos é que Nin sucumbiu em meio aos mais dramáticos acontecimentos do século XX; enquanto Altamira não resiste ás pressões de uma conjuntura eleitoral ã distância.

Por uma política operária independente na Bolívia
Frente ã questão eleitoral confrontam-se duas concepções políticas: a do “apoio crítico” e a pressão oportunista sobre o MAS, expressada no chamado a votar em Evo; e a luta por uma política independente dos trabalhadores, que, na ausência de uma opção operária e socialista, obriga a chamar a votar em branco ou nulo.

Desde a LOR-CI demos uma dura batalha nos Ampliados [12] e debates sindicais, como integrantes eleitos da Comissão Política da COB [13], defendendo a necessidade de um instrumento político dos trabalhadores, baseado nos sindicatos e com democracia operária, pela independência política do proletariado e uma saída operária e camponesa para a crise. Sua construção poderia ter oposto uma alternativa de classe ao reformismo do MAS também no terreno eleitoral; mas a concepção frente-populista da maioria dos dirigentes sindicais e o abstencionismo sectário do POR [14] frustraram esta possibilidade deixando o campo livre ao MAS.

Há que dizer que nesta importante luta política a OT, núcleo simpatizante da CRCI na Bolívia, não jogou nenhum papel e o PO tampouco lhe deu importância. Agora, com o argumento de “tomar partido numa crise política” Altamira pressiona seus militantes: “Os partidos, tendências ou organizações de diferentes tipos, que não conseguiram ocupar um lugar de luta no cenário eleitoral, pelas razões que forem, não podem valer-se de sua própria incapacidade para desconhecer o terreno que está colocado”. E insiste “No caso da Bolívia, em particular, os setores que se encontram ã esquerda do MAS têm fracassado politicamente em forma completa. Não podem apresentar reclamações.” Com estas palavras incríveis os desarma ante o discurso do MAS de que todo o que não o apóie “é divisionista e serve ã reação”, e os educa dentro e fora da Bolívia que numa “situação excepcional” os princípios e estratégia do trotskismo não servem, e só resta tomar partido pelo “campo progressista”. Não é casual que a OT, depois de um longo curso de adaptação oportunista agarrado pelo PO, tenha chegado a sua virtual desagregação.

Mas é certo que ao não dar o apoio eleitoral ao MAS se condena ã marginalidade? Falso. Ainda que seja uma luta “contra a corrente” há importantes possibilidades de intervenção no processo de recomposição do movimento operário, e de diálogo com setores de vanguarda que criticaram duramente a Morales por sua atuação nas crises nacionais e desconfiam da direitização do MAS, ainda que o votarão como “mal menor” frente aos partidos da direita. Por exemplo, em Huanuni há uma grande desconfiança na vanguarda porque é sabido que o MAS entregará a administração da política mineira aos chefes cooperativistas aliados ás empresas estrangeiras. O sintomático processo de reorganização sindical, com o surgimento de vários sindicatos, como na planta de Senkata ou no estratégico aeroporto de El Alto (SITRASABSA) não está enquadrado pelo MAS e permite uma intervenção política desde uma posição de classe, ainda que muitos operários votem em Evo.

Outro exemplo de que a hegemonia do MAS não é tão “opressora” como teme Altamira é que o jornal da COR altenha, Rebeldía, coloque na capa e nas páginas internas que o “povo altenho seguirá lutando sob o próximo governo, qualquer que seja este”. E sob esta linha, a “cúpula operária e popular” convocada pela COB, a FSTMB [15] e a COR [16] para o 8, 9 e 10 deste mês prepara um “reposicionamento” ã esquerda de setores descontentes com o MAS.

Os militantes da LOR-CI que chamamos a votar em branco ou nulo, intervimos junto a sindicatos combativos como SITRASABSA, chamando a confiar só nas forças dos trabalhadores, multiplicar a organização sindical e preparar-se para a luta independente pela nacionalização do gás, terra, trabalho e salário e as demandas dos povos originários; sem depositar a menor confiança num governo de Evo e García Linera, e retomando a luta pela organização política independente dos trabalhadores, para intervir também na futura Constituinte. Só uma clara delimitação política hoje permitirá definir uma política correta frente a um eventual governo do MAS. Em todo caso, só a evolução concreta da luta de classes e dependendo da relação que esta estabeleça com as massas, poderia colocar-se táticas de exigência de ruptura com a burguesia que permitam desenvolver a experiência política dos trabalhadores e camponeses com este governo e a criação de órgãos de duplo poder.

Com a orientação de Altamira, qualquer simpatizante do PO que quisesse “intervir na crise política e interessar as massas inquietas pelo desenlace eleitoral” ficaria desarmado e sem poder ganhar uma alternativa operária independente ás tendências mais combativas da vanguarda.
A única forma de forjar uma alternativa operária, revolucionária e socialista com influência de massas, capaz de levar ao triunfo a revolução boliviana é derrotar as organizações reformistas. O POR nunca conseguiu dar este salto porque sempre, nas questões decisivas, capitulou frente ao nacionalismo, o reformismo e a burocracia sindical lechinista [17].. O abstencionismo político do POR - uma forma de adaptação sectária - encontra sua contra-face no oportunismo de Altamira. Em ambos casos a vontade de derrotar o reformismo é substituída pela ilusão oportunista de que “pressionando-o” é possível ganhar as massas.

Pelo contrário, manter uma posição marxista independente nas questões chaves do processo revolucionário é elementar para ajudar as massas a superar o obstáculo da frente-popular masista (algo ligado ã possibilidade de oprimir a reação pró-imperialista), e sentar as bases de uma direção operária, revolucionária e socialista. É certo que hoje não existe um genuíno partido dos trabalhadores e que as condições para construí-lo são difíceis. Mas é possível dar passos em direção ao reagrupamento revolucionário da vanguarda combatendo desde uma política de classe, enfrentando conseqüentemente ao MAS, e a qualquer variante frente-populista. Parte desta tarefa é diferenciar aos revolucionários dos centristas que falam todos os dias em revolução, mas que nos momentos cruciais cedem ao reformismo, como o faz lamentavelmente o PO. Companheiros da OT, do PO e da CRCI, os convidamos fraternalmente a refletir, revisar o apoio eleitoral ao MAS e corrigir o rumo ante os problemas chaves da revolução boliviana;

* Eduardo Molina é membro da LOR-CI e editor de Palabra Obrera

[1] MAS: Movimiento al Socialismo, corrente liderada por Evo Morales.

[2] “El Obrero Internacional” N°4, publicação do PO, assim como uma nota do dirigente grego da CRCI Savas Matsas, em PO N° 90.

[3] Prensa Obrera N° 890.

[4] Intelectual boliviano, candidato a vice-presidente na fórmula de Evo Morales.

[5] García Linera, Álvaro. “Cómo lograr MAS sin salir de un “capitalismo andino”, Entrevista com P. Stefanoni.

[6] Um dos setores da direita política boliviana. Os mais conhecidos são os de Santa Cruz.

[7] Corrente da direita ã qual pertence o candidato Jorge “Tuto” Quiroga.

[8] Uma das frações em que se dividiu o marxismo russo, de orientação social-democrata (a outra foi a Bolchevique encabeçada por Lenin).

[9] Corrente do movimento trotskista liderada por Pierre Lambert com centro na França.

[10] Assim, na Revolução Russa os mencheviques argumentavam que não havia mais remédio que apoiar ao “campo democrático” representado por Kerensky contra o “campo czarista” enquanto que Lenin e Trotsky defenderam uma política independente do proletariado revolucionário.

[11] Partido Obrero de Unificación Marxista, fundado na Espanha em 1935 como resultado da fusão de vários grupos marxistas. Sua figura mais destacada foi Andrés Nin.

[12] Reuniões sindicais abertas. A COB realizou algumas reuniões deste tipo durante os levantamentos.

[13] Central Obrera Boliviana.

[14] Partido Obrero Revolucionario, encabeçado por Guillermo Lora.

[15] Federación Sindical de Trabajadores Mineros de Bolivia.

[16] Central Obrera Regional.

[17] Denominada desta maneira por seu dirigente Juan Lechín.

  • TAGS
Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)