FT-CI

Declaração da LTS

Ante o estado de emergência pela epidemia da gripe suína

28/04/2009

Ante o estado de emergência pela epidemia da gripe suína

A epidemia da gripe suína, cujos primeiros casos foram detectados em 13 de abril sendo confirmada como um risco apenas em 23 de abril, se estende pelo território nacional e pelos EUA, tendo provocado a morte de 103 pessoas e 1614 internações, e já é uma ameaça de alcance internacional. O governo de Calderón e a Secretaria de Saúde (assim como o governo do DF) depois de negar de forma irresponsável que existisse algum surto epidêmico, deu um giro de 180 graus e anunciou o fechamento de escolas e a proibição de reuniões massivas. Esta brusca mudança que tomou de surpresa a milhões de habitantes da cidade do México e dos estados afetados gerou uma verdadeira psicose na população, temerosa dos efeitos desta doença.

Um sistema de saúde pública golpeado pelos governos a serviço da patronal e das transnacionais

Para além de que não fosse possível prever as características precisas do vírus (por se tratar de uma mutação supostamente desconhecida) , o forte índice de mutação do vírus da gripe suína nos últimos anos, colocava sem dúvidas a possibilidade de uma potencial situação de emergência. Ante isso, resultou criminosa a carência quase absoluta das vacinas tradicionais (que sem imunizar o novo vírus podem proporcionar uma limitada resistência) e o número limitado de tratamentos anti-virais. Isso é o resultado da dependência e subordinação do México ao imperialismo e aos organismos financeiros internacionais, como o Banco Mundial e o FMI, sob cujos ditames a saúde pública foi atacada, uma vez que as grandes transnacionais farmacêuticas monopolizam os medicamentos e os distintos tratamentos: isso se vê hoje em dia na dependência dos EUA ou Canadá para fazer frente ã epidemia.

Ainda que agora o governo se veja obrigado – para evitar o desenvolvimento de uma epidemia que lançaria sua escassa popularidade por terra próximo as eleições de julho – a abrir o IMSS ã população em geral, serão os trabalhadores e as grandes maiorias populares os que sofreremos os efeitos da persistente política privatizadora sobre a saúde pública. Isso se vê na redução de pessoal no sistema de saúde pública, redução de materiais e macas, no carregado ritmo de trabalho (com o conseguinte aumento dos acidentes de trabalho provocados pela reacionária política trabalhista do governo) ligado ã falta de investimento em investigação em torno a medicamentos e tratamentos que permitam enfrentar uma situação como esta. E, enquanto os trabalhadores e o povo estaremos – especialmente no caso de “massificar” a pandemia – sujeitos ã escassez dos tratamentos, aqueles que podem ter acesso ã clínicas privadas serão os que terão a segurança de receber um tratamento adequado. Tudo isso é conseqüência das políticas de redução do estado mexicano impulsionadas pelos distintos governos federais, e impostos com a cumplicidade dos burocratas sindicais e contrários as necessidades das bases trabalhadoras.

Mas além do temor do contágio, os trabalhadores não podem faltar no trabalho, pois os patrões os despediriam; aos capitalistas lhes interessa que a cadeia produtiva não se detenha. Ante esta emergência o pró-patronal secretário do Trabalho, Javier Lozano, apelou ã “sensibilidade e sentido social” dos patrões, para que não apliquem os descontos salariais aos trabalhadores que chegarem tarde ou faltarem.

Aproveitando esta situação de emergência, o governo federal aproveita para por o exército nas ruas e decretar seu direito a entrar em qualquer casa e tomar medidas para “isolar os afetados”, limitando a liberdade de ir e vir e de reunião. Estas são medidas próprias de um estado de exceção, que busca prevenir possíveis estouros de raiva da população descontente (como ocorreu nos surtos de 1985), e lavar a cara do exército e da polícia. Ao mesmo tempo, como se denunciou em distintos meios, o governo está maquiando as cifras, para evitar que se veja sua irresponsabilidade e sua falta de recursos para manejar esta situação.

Mas o governo de Calderón ao não contar com uma política preventiva para setores majoritários da população trabalhadora, dificilmente pode impedir que se estendam os surtos da epidemia. E se epidemia paralisar a Cidade do México e outras do interior do país, como se garantirá o fornecimento de alimentos e água potável? Quem verificará que a água que compramos (de qualidade duvidosa) não estará contaminada? E aos trabalhadores que se vejam obrigados a faltar ao trabalho, como serão retribuídos seus dias não trabalhados ou como se evitará que os demitam?

Uma política para que as maiorias populares enfrentemos a emergência de saúde

Ante esta crise, sem dúvida todos os habitantes temos que preservar nossa saúde, tomando as medidas elementares para isso. Mas ao mesmo tempo, para atacar de fundo o problema e preservar a saúde e a vida de milhões de trabalhadores, camponeses e do povo em geral, temos que levantar uma série de demandas que apontem a obter um nível de vida digno, pois a maioria da população trabalhadora está sub-alimentada e, um setor importante padece de desnutrição, fatores que permitem a pronta contaminação de doenças e contágios. Demandas que devem ser reivindicadas pelas organizações sindicais, políticas, democráticas e de direitos humanos.

Em primeiro lugar devem estar a disposição de todos os trabalhadores, suas famílias e o conjunto dos setores populares, serviços médicos, medidas de prevenção e medicamentos completamente gratuitos. Frente aos fechamentos ou suspensões nas empresas e centros de trabalhos, se devem impor o pagamento de 100% do salário.

Há que exigir que todos os recursos orçamentários (começando pelos vultosos pagamentos destinados ã dívida externa) se ponham a serviço de enfrentar o surto atual e seu impacto sobre as massas trabalhadoras e populares, e para isso também há que impor impostos progressivos ás grandes fortunas. Isso não pode ser deixado nas mãos da corrupta secretaria de Saúde, cujo único interesse, além de impulsionar a privatização, é preservar a boa imagem do governo e os interesses da “iniciativa privada”. Deve ser organizado por comitês conjuntos dos trabalhadores da saúde e pelos usuários, os verdadeiros interessados em evitar que a epidemia se estenda e sigam tirando vidas humanas.

Junto a isso e como parte de uma política radical para enfrentar a situação, há que nacionalizar todos os hospitais privados, os laboratórios e as grandes transnacionais farmacêuticas, as quais só buscam lucrar com a atual crise da saúde, e colocá-los sob controle dos seus trabalhadores para abri-los ao público em geral, avançando assim em direção ã criação de um sistema de saúde público e gratuito.

Há que repudiar a militarização impulsionada por Calderón e seu “estado de exceção” que aproveita a crise atual para por os militares nas ruas contra os interesses da população e inibir as concentrações da população trabalhadora (como a mobilização de 1 de maio).

Junto a isso, as organizações de direitos humanos e os sindicatos tem que impulsionar de imediato uma rede solidária orientada, em primeiro lugar, para os idosos e as dezenas de milhares de pessoas que vivem na rua ou em condições subumanas, e que são os que sentirão o impacto mais forte desta enfermidade, apelando para garantir a utilização de todos os recursos dos grupos hoteleiros e supermercados para atender os que precisam.

É necessário que os sindicatos junto ás organizações sociais e camponesas impulsionem uma coordenação nacional, para acordar como garantir as medidas necessárias para, em primeiro lugar, evitar que se propague mais a epidemia e que se garanta o abastecimento de água e alimentos.

Abaixo a suspensão de garantias individuais, fora o exército das ruas

Por comitês de trabalhadores da saúde e usuários para enfrentar a crise epidemiológica

Medicamentos gratuitos para todos os trabalhadores e os sectores populares. Requisição de medicamentos ás grandes corporações farmacêuticas e nacionalização dos hospitais privados. Pela criação de um sistema de saúde único, público e gratuito.

27/4/09

  • TAGS
Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)