FT-CI

Argentina: de Santa Cruz a Constitução

Existe fúria no povo trabalhador

23/05/2007 La Verdad Obrera N° 234

A rebelião popular em Santa Cruz e a fúria, expressa nesta terça-feira, 15 de maio, pelos passageiros na estação de trem Constituição, tem como elemento comum a raiva do povo trabalhador. Para os trabalhadores se trata de avançar na idéia que, se os enfrentamos com firmeza, o governo pode ser obrigado a retroceder e que Kirchner, apesar de seus discursos, governa para os mesmos grupos econômicos que se enriqueceram na ditadura, na década de 90 e que seguem fazendo na atualidade. Frente a Kirchner e a direita, é preciso colocar de pé um grande partido da classe trabalhadora.

A raiva obriga Kirchner retroceder

A rebelião popular em Santa Cruz e a fúria, expressa nesta terça-feira, 15 de maio, pelos passageiros na estação de trem Constituição, tem como elemento comum a raiva do povo trabalhador. No caso da estado patagônico, com um regime que têm impedido durante mais de quinze anos a realização de negociações paritárias, que mantêm o piso salarial dos professores mais baixos dos país e que não vacila em militarizar as escolar com a Gendarmaria e reprimir violentamente aos servidores municipais.

Um regime que tem beneficiado todos os negócios das empresas mineradoras, petroleiras e pesqueiras, e que tem permitido o enriquecimento dos amigos da família presidencial com a obra pública. E no caso da “revolta dos passageiros” a indignação por ter que viajar diariamente como animais, com serviços concessionados a empresários como Taselli, que recebem grande quantia de subsídios, mas não realizam as inversões mínimas para garantir a qualidade do serviço, como diziam os protagonistas da “terça de fúria”. Taselli, o mesmo empresário que tinha a seu cargo o controle da mina do Rio Turbio quando 14 mineradores morreram.

Também estão furiosos os trabalhadores que saem a lutar, apesar dos burocratas sindicais, como na FATE; ou no Correio oficial, onde auto-convocados se organizam exigindo a estatização definitiva e um salário equivalente ao custo de manter uma família; e entre aqueles que enfrentam manobras de esvaziamento, como os do Casino Flotante. Ou naqueles que estão dispostos a resistir ã prepotência das patronais como a da LAN, hoje enfrentada conjuntamente por pilotos aeroviários da APA. Com as eleições da Capital perto e as de outubro muito longe, o govero parece determinado para tentar de recuperar alguma da credibilidade perdida. Obrigado pela mobilização massiva, começou pelo ex-governador de Santa Cruz, Carlos Sancho e seu ministro de governo, o repudiado Daniel Varizat. E agora acaba de anunciar a separação de dois funcionários afetados pelo caso Skanska, Fulvio Madaro, o titular da ENARGAS, e Néstor Ulloa, a cargo da Fideicomisos Nación. Também parece ter caído em desgraça Guillhermo Moreno, um dos que estiveram por detrás da intervenção da INDEC. Mas, apesar disto, nessas semanas o duplo discurso governamental ficou evidente como nunca antes, em seus quatro anos de governo. Se até o abatido Menen voltou a falar dizendo que “há que lembrar os elogios que o próprio doutor Kirchner derramava sobre mim, afirmando que jamais havia tido um governante que ajudara tanto a Patagônia”.

Para os trabalhadores se trata de avançar na idéia que, se os enfrentamos com firmeza, o governo pode ser obrigado a retrocer e que Kirchner, apesar de seus discursos, governa para os mesmos grupos econômicos que se enriqueceram na ditadura, na década de 90 e que seguem fazendo na atualidade. Frente a Kirchner e a direita, é preciso colocar de pé um grande partido da classe trabalhadora.

Santa Cruz e o 2001

“Não precisamos fazer aparecer o estado do presidente no marco do enfraquecimento que ocorreu em dezembro de 2001 (...) aqui não tem nem haverá vazio de poder”, disse Daniel Peralta em sua assençao na sexta-feira passada, 11 de maio, enquanto, do lado de fora da “La Rosadita”, se organizava a maior manifestação que o estado já havia vivenciado. Aproximadamente 15 mil professores, municipais e estaduais marcharam pelas ruas de Rio Gallegos com ares de triunfo logo após forçar a renúncia do governador Carlos Sancho e do odiado ministro do governo Daniel Varizat.

O que foi que em Santa Cruz está relacionado com dezembro de 2001, e faz que aquelas jornadas sejam um ponto de referência obrigatório para a análise do que ocorreu? Não somente o “que se vão todos”, que foi uma das consignas mais cantadas nesses dias, mas que, efetivamente, um governador caiu como produto da ação direta nas ruas, da mobilização de massas, e nada menos que no estado do presidente, que se apresenta em todo o país como o herdeiro daquelas mobilizações que tiraram o De la Rúa.

Este enorme triunfo político de todos os trabalhadores do país, esta vez foi protagonizado pelos professores que recorreram a todos os métodos de luta acumulados na experiência destes anos. O centro foi a ação grevística, mas também se valeu de piquetes e fechamentos de vias em várias localidades, aos funcionários e políticos oficiais , aos panelaços e contou com o acompanhamento e a simpatia de importantes setores da classe média. Muitos pequenos comerciantes fecharam suas portas em apoio aos professores e em repudio a repressão.

Em Santa Cruz é um sentido comum dizer que isto foi “histórico”: todos fazem referência a que “ a gente se cansou dos últimos 17 anos”, quer dizer quando Néstor Kirchner assumiu o governo, impôs a lei de emergência econômica vigente, congelou as paritárias e os aumentos de salários ao mínimo, e privatizou a YPF. O de Santa Cruz é “histórico” porque, no mais profundo, o que expressa a mobilização encabeçada pela greve de professores é a revolta contra um regime de assombrosa continuidade como o de Menem, Cavallo e De la Rúa.

A substancial diferença é que Daniel Peralta não é exatamente um Rodriguez Saa - que assumiu em meio a ruína econômica e o default das arcas do Estado - mas que, pelo contrário, Santa Cruz está, como o país, em pleno crescimento econômico e o Estado conta com fundos milionários de regalías petroleiras. Peralta disse que “temos a maior mudança da história do estado”, mas se esqueceu de apontar que essa mudança “dos fundos do estado” foi para subsidiar as petroleiras e criar uma nova burguesia estadual, novos ricos que são sócios das grandes multi-nacionais petroleiras, pesqueiras e mineradoras. Isso é o que tem feito que um simples chofer do presidente, como Ruby Ulloa, tenha se tornado um poderoso empresário que controla um canal de TV, rádio, um diário de distribuição gratuita e que diz compraria grande parte do pacote de ações do Página/12. Ou que alguém que tinha uma imobiliária como Lázaro Báez com sua empresa Austral, seja hoje o papa da construção de obra pública e seja favorecido em concessões para uma série de explorações em novas áreas petroleiras.

Daniel Peralta assumiu para manter o essencial da continuidade dessas mesmas camarilhas, que para se perpertuar agora apelam ao “diálogo” e ã “negociação”. A partir de sua assenção há um novo momento político. O padre Romanín, que todos os dias se declarava contra o governador Sancho, agora visita Peralta em sua casa (ver foto) e fala de “esperança em uma solução”. A UCR, marcada pelo oficialismo como promotora da mobilização, votou na Câmara a favor da assenção de Peralta e o superintendente de Rio Gallegos, Héctor Roquel, disse que se abria “uma oportunidade”, certamente esperando que ganhe algo a mais no aparato estatal.

O escracho feito ã irmã do presidente, Alicia Kirchner, tentou ser utilizado pelo governo para colocar os grevistas na defensiva. Uma campanha de demonização que pretende igualar a “violência” de atirar ovos e farinha, com a repressão de gases e balas, inclusive de chumbo, como a utilizada contra os servidores municipais e pelo que não tem nenhum policial machicado, e inclusive com o novo governador Peralta segue em funções o odiado chefe de polícia Wilfredo Roque que a comandou. Assim tentam justificar a permanência das tropas da gendarmeria nacional e buscaram colocar os professores na defensiva. Mas eles têm respondido com o panelaço em que centenas de professores colocaram band-aids no rosto em alusão ã que usou a ministra na conferência para a TV.

No fechamento desta edição as assembléias da Adosac se reuniram para avaliar a proposta salarial do governo. A partir de todo o país tem que reivindicar que se retire a polícia de Santa Cruz e apoiá-los até que triunfem em seus reivindicações. Nas páginas centrais entrevistamos delegados da Adosac que refletem sobre sua experiência de luta e opinam sobre a necessidade de um partido da classe trabalhadora.

  • TAGS
Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)