FT-CI

Buenos Aires

Grande ato de encerramento da Conferência Internacionalista

05/08/2008

Grande ato de encerramento da Conferência Internacionalista

Videos online: Ato de encerramento da Conferência Internacionalista

Entre 20 e 27 de julho, realizou-se em Buenos Aires a V Conferência da Fração Trotskista- Quarta Internacional, com a participação de delegações da LOR-CI da Bolívia, LER-QI do Brasil, Clase contra Clase do Chile, LTS do México, LTS da Venezuela, Clase contra Clase do Estado Espanhól, PTS da Argentina e companheiros da Alemanha e da Itália.

Também participaram os companheiros da Liga de la Revolución Socialista da Costa Rica, que se incorporou como seção da FT e do grupo CRI (Groupe Communiste Révolutionnaire Internationaliste) da França, que será incorporado como seção simpatizante.

Os delegados discutiram intensamente durante uma semana os documentos submetidos ao debate sobre a economia mundial e a situação do imperialismo; a situação do movimento operário, a luta de classes e o marxismo; e a situação na América Latina. Dentro em breve esses documentos estarão disponíveis na internet.

A Conferência se iniciou com duas sessões nas quais discutimos sobre o estado atual da economia, as razões estruturais que está por trás da crise atual e o fenômeno atípico dos últimos anos nos quais se recuperou a taxa de lucro mas com uma débil acumulação capitalista; os fenômenos mais conjunturais da situação econômica, notavelmente o regate estatal das duas maiores hipotecárias norte-americanas, e as implicações que essas quebras podem ter sobre o sistema bancário e a economia mais em geral; o papel da China na recuperação econômica dos últimos anos, mas assinalando que, por tratar-se de um país dependente dos investimentos estrangeiros, que deve seu lugar na economia mundial a sua enorme reserva de mão-de-obra barata, não pode cumprir o papel que muitos analistas esperam que cumpra. A importante discussão sobre as causas e prováveis conseqüências da crise em curso, culminou com o debate em torno das perspectivas que se abrem tendo em conta que, diferente das últimas crises (como a de 2000-2001), essa mostra contradições maiores no coração do capitalismo mundial e, de agravar-se e transformar-se em recessão aberta e generalizada, trará maiores tensões entre os estados e a uma agudização da luta de classes.

O outro grande tema de discussão foi a situação da classe operária, seu nível de organização e a situação do marxismo revolucionário.

Partimos da definição de que nos últimos anos houve uma recomposição social e sindical da classe operária, comparado com os anos do neoliberalismo, mas que isso não tem dado lugar algum ao surgimento de tendências significativas ã independência política da classe operária nem a correntes revolucionárias. Essa debilidade política é produto das derrotas sofridas depois do ascenso revolucionário de 1968-81, traído pelas direções históricas do movimento operário, que permitiram a ofensiva neoliberal inaugurada por Reagan e Thatcher no começo dos anos 1980 e redobrada depois da restauração capitalista na ex-URSS, no Leste europeu e na China. Isso implicou um importante retrocesso nos níveis de luta, de organização e também de consciência de classe dos trabalhadores, sobre o qual se apoio a propaganda capitalista para banir a perspectiva de revolução social da luta dos explorados.

A crise econômica em curso abrirá sem dúvida novas perspectivas no terreno da luta de classes e dará lugar a fenômenos radicalizados, para o qual nos preparamos desde já, mediante a luta teórica, ideológica, estratégica e política pela construção de partidos revolucionários e a reconstrução da IV Internacional.

A Conferência também debateu a situação e perspectivas que se abrem para a América Latina, no marco dos efeitos da crise da economia mundial, do desgaste dos governos populistas como o de Evo Morales ou o de Chávez e do surgimento de uma nova direita que busca apropriar-se da maior parte da renda produzida pelos recursos naturais e matérias primas, como os hidrocarbonetos e os alimentos que já levou a enfrentamentos políticos entre frações da classe dominante, como por exemplo o conflito entre o governo e as patronais agrárias na Argentina. E sobretudo, partindo de alguns elementos como a luta dos trabalhadores da Sidor na Venezuela, discutimos sobre as possibilidades de que se desenvolvam conflitos operários a um nível superior do que temos visto até agora, e setores dos trabalhadores processem pela esquerda sua experiência com os governos "nacionais e populares".

Por último, nessa conferência se incorporou como seção da FT a Liga de la Revolución Socialista da Costa Rica, depois de um processo de discussão, no qual temos abordado as principais questões de estratégia, programa e política.

Também se incorporou como seção simpatizante da FT o grupo CRI da França, a partir dos importantes acordos tento estratégicos como políticos, ainda que persistam algumas diferenças significativas que abordaremos no próximo período, ao mesmo tempo que atuamos tanto na França como a nível internacional. A Conferência votou também quatro campanhas internacionais: contra as perseguições aos trabalhadores e trbalhadoras imigrantes, contra a presença das tropas brasileiras, argentinas, uruguaias, chilenas e bolivianas no Haiti, o apoio à luta de Zanon sob controle operário por sua expropiação definitiva e pela construção da IV Internacional a 70 anos de sua fundação.

A Conferência terminou com um ato que se realizou dia 26 de julho na Federação de Box, ante um auditório operário e estudantil que encheu as instalações e expressou seu entusiasmo revolucionário frente as saudações e intervenções dos distintos grupos que tomaram a palavra.

  • TAGS
Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)