FT-CI

O resultado das eleições presidenciais de 3 de outubro

Lulismo e pós lulismo, continuidade e contradições

08/10/2010

As eleições no Brasil estiveram marcadas pelo lulismo: um clima social continuista e reformista. Lula, o PT e seus partidos aliados saem como os maiores vencedores desta eleição, garantindo quase a mesma votação (47%) que haviam conquistado com Lula (48%), apesar do revés tático sofrido em ter as eleições presidenciais conduzidas ao segundo turno. Este revés foi produto da importante votação de Marina Silva (mais de 19%) e não de Serra e do PSDB que retrocedeu e obteve 8% de votos a menos que em 2006 (41% a 33%), inclusive em seu bastião, São Paulo, onde retrocederam de haver obtido 4,1 milhões mais que Lula a somente 760 mil mais que Dilma.

Não eram poucos os analistas que apostavam na explosão do partido de Serra frente ao fracasso eleitoral e, agora, mesmo enfraquecido, dependendo do resultado do segundo turno, pode sair fortalecido.

A vitória de Lula e seus candidatos em diversos estados e no legislativo faz parecer no papel uma grande vitória para o futuro governo Dilma, uma garantia, segundo seus argumentos, de estabilidade. Este raciocínio comemorado pelos petistas, esconde a dependência de um executivo forte para estabilidade deste regime, e que Dilma não poderá ser como Lula em sua capacidade de costurar alianças e menos ainda na relação que mantém com o movimento de massas e suas organizações, condicionando inclusive a virulência da oposição de direita, que Lula podia controlar. O fortalecimento de candidatos mais moderados dentro do PSDB como Aécio Neves, as importante vitórias do PSB no Nordeste aparecendo como um partido lulista mas não petista (sendo notórias suas tentativas de unir o PT com o PSDB) e inclusive Marina Silva que ataca e reivindica os dois principais partidos do país, são todas mostras de dois traços fundamentais desta eleição: consolidação do lulismo e tendência ao centro, de uma busca pela manutenção da estabilidade política, econômica e social que garantam a continuidade dos bons negócios capitalistas. Estes elementos, combinados ã politização em torno de temas como direito ao aborto e o papel da mídia, fazem que no Brasil se expresse de forma distorcida, temas políticos cadentes de toda América Latina.

O grande resultado de Marina deve ser compreendido neste marco de tendência ao centro, sendo opositora, mas não tucana da situação, mas não petista, percebida pelas massas como vagamente “de esquerda”, e ao mesmo tempo a mais ferrenha crítica ao direito ao aborto, capitalizando o descontentamento conservador e fomentado pela mídia contra Dilma por esta questão [1].

A imagem de Marina como uma renovação da política, e com um programa de capitalismo ecologicamente sustentável, são expressões também de uma subjetividade das massas de que é possível mudanças graduais. Os aspectos de centro-esquerda de seu voto fizeram com que a extrema esquerda tivesse uma votação muito baixa que, infelizmente não foi compensada por uma boa propaganda dos princípios do marxismo e a defesa dos lutadores.

Frente ã pressão do clima social de gradualismo, do próprio PT, de Dilma e ainda de Marina Silva como fortes candidaturas que apareciam como melhorias graduais, a esquerda ficou sem espaço para recolher os votos de centro esquerda que Heloisa Helena havia conquistado em 2006, e em um esforço eleitoral se adaptaram ainda mais a esse espectro, sobretudo no caso do PSOL. Amargando 880 mil votos (contra os 6,5 milhões de 2006) não elegeu duas de suas principais figuras, da ala direita organização, mesmo com Heloísa Helena apoiando e sendo apoiada por Marina foi fragorosamente derrotada porque seus adversários exploraram antigas declarações dela contra Lula. Luciana Genro (MES, ligada ao MST argentino) também não se elegeu mesmo tendo retirado candidatura de sua regional ao senado para apoiar Paim do PT. Os candidatos que se elegeram ou fizeram alianças com partidos burgueses, como o senador do Amapá que foi apoiado pelo PTB do ex-presidente Collor, mal mencionaram Lula e seus aliados locais e se apresentaram como “os mais ativos” e “propositivos” legisladores. Seus candidatos eleitos são os mais ligados ã esquerda católica e com mais relações com o PT e o regime. Não perdeu sua bancada numericamente, mas toda sobrevivência deste partido parlamentar se reduz aos sucessos da ala interna mais programática e politicamente “petista histórica”, a Ação Popular Socialista (APS). O PSOL, tal como o PSDB, também sobreviveu ao lulismo, mas como mais de centro, cada vez mais distanciado de um partido anticapitalista e com uma profunda crise que é ter um partido parlamentar sem suas duas principais figuras nacionais (Heloísa Helena e Luciana Genro) no parlamento.

O PSTU fracassou em sua tentativa de fazer frente ao PSOL não somente por obter em todo país um quarto dos votos do candidato mais votado do PSOL a deputado federal, mas por sua orientação. Haver conseguido apenas 84 mil votos nacionais (frente aos 400 mil de 2002) em uma campanha revolucionária que defendesse os lutadores, que expressasse a necessidade da organização independente dos trabalhadores, a defesa dos camponeses sem terra, da aliança operário-camponesa e popular, que se apoiasse em seu peso histórico e atual nos sindicatos, teria tido pouco peso a obtenção baixa de votos. Porem tem outro peso quando centrou sua campanha em mostrar o que poderia ter feito Lula, caso esse quisera, e uma propaganda abstrata de socialismo. A expressão mais gráfica disto é a pouca vinculação com a CSP-Conlutas e como em meio ã greve nacional dos bancários seus dirigentes bancários históricos como Dirceu e Cyro Garcia não foram o centro de agitação em apoio a esta dura luta.

O PCO teve uma derrota eleitoral ainda mais aguda, somando somente 12 mil votos nacionais e politicamente deu um giro de 180 graus para o oportunismo. Depois de anos chamando toda esquerda de traidora, igualando todos ao PT, passou a chamar sem nenhuma crítica todos, incluindo o PSOL, a construir frentes únicas.

A vanguarda dos jovens e trabalhadores, que se expressou nas candidaturas independentes da burguesia do PSTU e PCO, necessita fazer muito mais. Além de diferenciar-se da centro-esquerda, de mostrar que Dilma não é uma alternativa aos trabalhadores e fazer uma campanha pelo voto nulo no segundo turno, como já iniciou o PSTU, e concordamos, precisa realizar este balanço das eleições avançando a considerações sobre o papel dos trotskistas e as tarefas necessárias para o próximo período. Começando por um balanço dos anos de atuação durante o governo Lula e passando por um balanço do próprio PT e sua atuação dentro e fora desse partido que moldou as gerações de dirigentes e grande parte dos quadros destas organizações. É notório como nenhuma organização surgida durante esse período como o PSTU e o PCO hajam feito até hoje um balanço crítico do Lula das origens, nem sequer de sua atuação no mesmo período, desarmando a vanguarda para os novos embates.

O entrismo sui generis de muitos anos no PT foi não somente a falta de batalha contra Lula e não para influenciar-lo, mas também uma derrota estratégica para esse trotskismo: das absurdas formulações eleitorais de aliança operária e camponesa “Lula como vice do MST” do PSTU dos 90, passando por longos anos de chamados a “esquerda do PT” para que fizessem um partido “socialista” comum. Muitos destes “socialistas” são hoje ministros, governadores com Lula, outros saíram do PT para formar novos partidos cada vez mais de centro esquerda como o PSOL, e o PSTU revive sua formula morenista de “lute e vote” cada vez mais como caricatura e com menos “lute”.

A LER-QI luta para por de pé uma nova tradição, recompor e refundar o trotskismo em nosso país, resgatando criticamente esse passado, corrigindo seus erros e extraindo as lições da luta de classes. A fusão de jovens trabalhadores da USP e outras categorias, estudantes e intelectuais com dirigentes trotskistas que foram fundadores do PT, da CUT e da CUT pela Base junto a intelectuais que integraram na época as fileiras do trotskismo é, desde onde partimos para confluir com outros setores para construir o que mais faz falta na realidade nacional: um partido revolucionário, ou seja, trotskista, que faça das lutas pontuais e dos espaços para propaganda (como as eleições), verdadeiras escolas de guerra e tribunas revolucionárias, sem perder esse tempo preparatório para moldar não somente os generais, os comandantes, a estratégia, mas também a têmpera do exército que as futuras batalhas exigirão.

  • NOTAS
    ADICIONALES
  • [1Dilma havia declarado em 2007 e 2009 que defendia, tal como o programa do PT, a descriminação do aborto. Agora frente ã ofensiva evangélica, declara que está contra a descriminação, não havendo sido suficiente este gesto para conter os setores conservadores, agora o PT discute retirar este não só de seu programa de governo, mas inclusive de seu programa partidário. Esta questão e suas conseqüências prometem ter importante peso no segundo turno da eleição, assim como em diversos setores do movimento de massas.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)