FT-CI

México

Massiva mobilização operária e camponesa

07/02/2008

Massiva mobilização operária e camponesa

No último 31 de janeiro, a praça central da capital mexicana foi ocupada por centenas de organizações operárias e camponesas que concentraram, segundo os organizadores, cerca de 200 mil pessoas. Os contingentes camponeses encabeçaram a mobilização. Eram seguidos pelos destacamentos operários de trabalhadores da Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM), pelo Instituto Politécnico Nacional, o Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH), do Instituto de Previdência Nacional, do Sindicato Mexicano de Eletricistas, de telefônicos, dos trabalhadores da energia nuclear, e destacava-se o grito combativo do sindicato mineiro, encabeçado pela seção 65 que marchava ao ritmo de “Cananea não se vende, Cananea não se dá, porque tem mineiros com muita dignidade!”, em alusão ã recentemente reprimida greve dos trabalhadores do cobre desta cidade.

As consignas expressavam as mais importantes reivindicações de operários e camponeses, e o rechaço ao Tratado de Livre Comércio (TLC) e aplicação de sua política agropecuária, que favorece o milho e o feijão provenientes dos EUA e Canadá, assim como o rechaço ã privatização da indústria elétrica e do petróleo; igualmente, contra o ataque aos contratos coletivos de trabalho, o desemprego e a carestia de vida. Acompanhadas pelas denúncias contra a repressão e a violação dos direitos humanos, as violações policialescas em Atenco, a repressão ao sindicato mineiro e ao povo de Oaxaca, contra a militarização entre outras.

Esta manifestação expressa que no México estamos ante uma nova etapa da luta de classes, na qual a relação de forças entre as classes mudou e que a tendências mais profundas que abriram uma situação revolucionária em 2006, longe de ter se fechado, estão assumindo novos contornos. Os elementos mais avançados da mesma são as tendências ã frente única de amplos setores de trabalhadores, o protagonismo crescente de setores da classe operária no México, a unidade operária e camponesa consolidada sobre o rechaço generalizado ao TLC, a tendência ã mobilização e, a possibilidade de que assistamos no próximo período ã fenômenos de maior radicalização política, ou que voltem a expressar-se os métodos radicalizados que presenciamos com a “Comuna de Oaxaca” ou a rebelião operária em Sicartsa. De forma muito mais demorada e molecular, começam a se expressar setores anti-burocráticos nos sindicatos como o de trabalhadores da Universidade Autônoma Metropolitana (SITUAM), ou da UNAM (STUNAM) ou em setores do movimento operário industrial. O pano de fundo deste importante avanço da luta de classes é a crise econômica que levará inevitavelmente o México a sofrer os duros efeitos da recessão norte-americana.

Os limites da mobilização

O principal é que ã frente deste grande descontentamento estão as direções da classe operária e do campesinato. A burocracia opositora que no ano passado fizeram parte do “pacto social” de Calderón e hoje recriminam ter rompido a União Nacional de Trabalhadores (UNT), o Sindicato Minero, o da Industria Nuclear (SUTIN) e o de Eletricistas (SME). Produto da maior direitização do governo e as mudanças na situação, as direções corporativas do Partido da Revolução Institucional (PRI) tiveram também que mobilizar-se: não só a do sindicato mineiro senão a própria Confederação Nacional Campesina. Por outra parte, os contingentes camponeses expressam uma heterogeneidade classista que só pode ser superada por maiores embates da luta de classes: marchavam juntos o camponês endinheirado, a pequena-burguesia rural arruinada pelo TLC, o campesinato pobre e muitos trabalhadores agrícolas, que não possuem nada mais que sua força de trabalho e são um “exército” em crescimento durante os últimos anos pela penetração imperialista.

Um programa contra o TLC e pela unidade operário e camponesa

Nos discursos das organizações que encabeçam as mobilizações camponesas se mesclam as demandas mais sentidas dos mobilizados com os chamados ao Partido da Revolução Democrática (PRD) de López Obrador e ã Frente Ampla Progressista (FAP) a que impulsionem a “renegociação” nesse antro de ladrões que é o Congresso, opondo-se a Calderón e ao PAN, que afirmaram diversas vezes que “o TLC não se negocia”.

A devastadora situação que atravessa o campo é conseqüência da subordinação dos governos do México e a imposição dos interesses econômicos e políticos de Washington, dos quais o TLC é ponta de lança.
Frente a ofensiva, a renegociação é uma perspectiva ilusória e uma armadilha porque semeia a expectativa de que sob pressão, os EUA aceitarão renegociar o Tratado, “obrigado” pelas mesmas instituições que durante anos avalizaram a entrega, e porque gera a ilusão de que se alcançará uma situação favorável aos camponeses mantendo o TLC e por fim ã subordinação econômica e política aos EUA.

Para defender os interesses dos camponeses arruinados, e frear a ruína dos pequenos e médios produtores, há que impulsionar a ruptura dos pactos e acordos como o TLC e a dívida externa, e enfrentar a ALCA e o Plan Puebla Panamá, uma verdadeira política de re-colonização da América Latina a partir do controle dos recursos naturais. implica também, mobilizarmos pela anulação do Artigo Constitucional 27, que assentou as bases para o TLC; junto ã imposição de impostos ás grandes fortunas, são medidas fundamentais para obter os recursos necessários para resolver as demandas das massas do campo e da cidade. Esta luta já tem que enfrentar a entrega da PEMEX (estatal do petróleo) e o conjunto dos recursos naturais do país ao imperialismo. Mas isto é só o primeiro passo.

É necessário um programa que lute pela expropriação sem indenização das terras em poder do agrobusiness e dos latifundiários e pela devolução de terras aos indígenas e camponeses, que faça efetiva a demanda de Emiliano Zapata de que “A terra é de quem a trabalha”. Para levá-la adiante, deve garantir a sobrevivência e produção dos milhões de camponeses e pequenos produtores, com medidas tais como o perdão da carteira vencida e o acesso a créditos baratos para maquinaria, abonos e transporte, para o que é fundamental ã aliança com os trabalhadores das cidades, pois estes são quem, em perspectiva, podem garantir o acesso ao transporte e ao crédito necessário para a produção. E sobre esta base, avançar na nacionalização da banca e o controle do comércio exterior, questão elementar para a venda dos produtos agrários do país.

A espoliação imperialista caminha unida è opressão e ã repressão. Para soldar a unidade entre os explorados e oprimidos, as organizações camponesas que se mobilizam, devem pronunciar-se pelo fim a repressão ás comunidades indígenas, pela liberdade dos presos políticos e a dissolução das guardas brancas, exigir a retirada do exército da Chiapas, Guerrero, Oaxaca e demais estados sitiados pelos militares, pelo exército, pelo direito a autodeterminação dos povos aborígines, contra a opressão exercida sobre eles, em particular ás mulheres, triplamente oprimidas e exploradas.

As organizações sindicais que se mobilizaram em 31 de janeiro e anunciam uma paralisação para o dia 31 de março, devem fazer suas as demandas camponesas, para que esta aliança seja efetiva (e revolucionária) é necessário um plano de luta independente do Congresso da União e seus partidos, cujo papel já vimos em 2001 quando votaram a reacionária lei indígena contra os zapatistas.

Para enfrentar ao TLC e a opressão no campo, requer que os trabalhadores se ponham ã frente da mobilização. Há que rodear de solidariedade lutas como a dos trabalhadores despedidos de Gamesa, de Vidriera Potosí e os trabalhadores da UAM e impulsionar uma coordenação nacional das organizações operárias, camponesas e populares, que prepare o terreno para uma grande paralisação nacional contra o TLC, a entrega da PEMEX e pelo triunfo de todas as lutas. Nesse caminho, os trabalhadores terão que avançar em recuperar suas organizações das mãos das direções burocráticas.

Leia o Suplemento Especial de Estrategia Obrera, periódico mensal da LTS, pela mobilização contra o TLC em www.geocities.com/ligamex

  • TAGS
Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)