FT-CI

Brasil: Mais do mesmo?

Não podemos confiar nos partidos patronais e nessa democracia dos ricos

24/09/2008 Palavra Operária N° 46

No momento em que finalizamos esta edição do Jornal Palavra Operária o mercado financeiro dos EUA tenta desesperadamente escapar de uma quebradeira generalizada de conseqüências que muitos analistas remetem ã crise de 1929. Um colapso do sistema financeiro dos EUA arrastaria o mundo inteiro para uma longa e profunda recessão.

Mas, segundo o presidente Lula, os brasileiros podem dormir tranqüilos. Segundo ele, os efeitos da crise americana serão praticamente imperceptíveis no Brasil, pois a nossa economia teria “fundamentos sólidos”. Quais fundamentos sólidos? As reservas de 200 bilhões de dólares? Mas nos últimos dias as bolsas russas tiveram que interromper seu funcionamento para evitar um colapso da economia deste país, apesar do governo Putin contar com reservas em dólares cerca de três vezes maiores do que as brasileiras. Ou será que Lula se refere ás exportações brasileiras? Neste caso, a perspectiva é que os preços dos produtos que exportamos sigam caindo, enquanto os mercados para os quais exportamos entram em recessão ou sofrem uma profunda desaceleração. Se o argumento seria que o Brasil se tornou confiável para os investidores internacionais e o consumo interno baseado no crédito continua crescendo, a verdade é que a crise internacional já abalou essa confiança: o dólar está em alta, os capitais estrangeiros fogem da Bovespa em ritmo acelerado, os juros pagos pelo governo para rolar a dívida externa começaram a subir e o crédito para os bancos e empresas brasileiras está secando e ficando mais caro pelo aumento dos juros.

Enfim, ao contrário de imperceptíveis as conseqüências da crise internacional prometem ser duras - talvez catastróficas - para a economia brasileira. As negociações coletivas de bancários e metalúrgicos já mostram como a patronal pretende se preparar para a crise econômica atacando os trabalhadores. No próximo período, a economia brasileira vai desacelerar e os trabalhadores podem esperar por ataques ao seu salário, direitos, além de ameaça de demissões. É nesse marco que Lula, tentando nos tratar como idiotas, pede para não nos preocuparmos... Porém, muito preocupado com os capitalistas, Lula declara que o governo bancará dinheiro do BNDES, inclusive mudando leis se necessário, para socorrer os empresários que tiverem “dificuldade” em encontrar empréstimos no exterior e nas negociações de dívidas com os bancos e fundos de investimentos.

As eleições longe da realidade

Nessa situação, os principais candidatos, seja do governo ou da oposição, não têm qualquer solução a oferecer para resolver os principais problemas da população. Nenhum deles sequer tenta dar uma explicação de por que, apesar do crescimento econômico dos últimos anos, ainda existem tantos desempregados e tanta violência social; por que os trabalhadores continuam morrendo nas filas dos hospitais e postos de saúde; por que a educação pública continua tão ruim; por que tanta gente segue morando em condições precárias; ou por que o transporte coletivo continua tão caro. E todos tentam esconder que é só uma questão de tempo para que a crise econômica comece a afetar o Brasil.

Esse silêncio não é ã toa. Todos os principais partidos dominantes no país, incluindo o PT e o PCdoB, assim como todos os principais políticos, a começar pelo próprio Lula, têm acordo em manter os fundamentais ataques neoliberais implementados contra os trabalhadores e o povo durante o governo FHC: o aperto fiscal para pagar a dívida pública, a abertura ao capital imperialista, as privatizações, as medidas de flexibilização dos direitos trabalhistas. Justamente as medidas recomendadas durante anos pelos “gurus” de Wall Street... Mas o que ainda se expressa nas eleições é a inércia do período de crescimento econômico dos últimos anos, que segue empurrando a popularidade de Lula ás alturas, com a criação de novos postos de trabalho e a ampliação dos planos de assistência social. Se por um lado Lula tem conseguido alimentar esperanças em um “reformismo responsável”, transferindo parcela dessa popularidade para os candidatos que apóia, por outro lado o dia-a-dia do trabalhador e as promessas dos políticos de sempre não são estímulos “animadores” nessas eleições, muito pelo contrário. Essa é a base para a sensação de muitos trabalhadores que encaram essas eleições como “mais do mesmo”, e que não se vêem realmente identificados ou motivados por qualquer um dos candidatos, recorrendo à lógica do “menos pior” para fazer suas escolhas.

De olho em 2010 e de costas para os trabalhadores

Durante o governo Lula, os trabalhadores obtiveram poucas modificações na sua situação. Apesar do crescimento econômico se mantiveram as condições históricas de miséria e pobreza das grandes massas, a subordinação aos EUA e aos demais países imperialistas, a enorme opressão que pesa sobre o povo negro, as mulheres e os povos indígenas, a repressão sangrenta contra os trabalhadores e o povo pobre nas grandes cidades. No entanto, é enorme a popularidade do governo Lula, visto pela grande maioria dos trabalhadores do país como um presidente que se preocupa com as necessidades dos mais pobres. Se apoiando nessa popularidade, a burocracia sindical governista segue controlando a luta dos trabalhadores e dirigindo a maioria das campanhas salariais e inclusive a maioria das poucas greves que ocorrem. Não ã toa, Lula tenta fingir que a crise econômica não tem nada a ver com o Brasil: ele sabe que com o fim do crescimento econômico tendem a se reverter as condições que garantem sua alta popularidade.

Mesmo assim, num contexto em que as promessas dos candidatos pouco se diferenciam, um diferencial tem se apresentado como fator decisivo nas eleições: o apoio ao presidente Lula. Segundo as pesquisas, em 20 das 26 capitais, são candidatos dos partidos que apóiam o governo Lula que lideram as eleições. Os pontos de acordo entre PT e PSDB são tantos que em mais de mil cidades estão coligados. Como todos têm acordo em seguir governando para os ricos e oferecendo apenas migalhas aos trabalhadores, nessas eleições a principal disputa é por posições que garantam para os candidatos uma boa localização nas eleições de 2010. Todos já estão preocupados em como vão ficar as coisas no “pós-Lula”... De olho em abocanhar uma participação maior no bolo do Estado cada vez mais políticos tradicionalmente ligados ã direita embarcam no carro lulista, a melhor opção de grandes “negócios” para os políticos de todos os tipos.

Retomar a luta pela independência de classe

Nessas eleições, os trabalhadores só têm como opções mais visíveis votar em candidatos que representam os interesses dos patrões. Por isso, chamamos os trabalhadores a não confiar nas eleições e não votar no PT e no PCdoB - partidos que fingem apoiar os pobres para terminar favorecendo os ricos -, nem no PSDB, DEM, ou qualquer outro partido burguês, como o PPS da Soninha - que nem fingir sabem. Chamamos os trabalhadores a desconfiar das instituições dessa democracia dos ricos em que passam os momentos de crescimento econômico e voltam os momentos de crise e as condições da maioria explorada e oprimida da população pouco ou nada mudam.

A propaganda oficial do TSE tenta fortalecer as ilusões das massas nas eleições, dizendo que depende do seu voto o que vai ser feito das cidades brasileiras nos próximos quatro anos. Na realidade, nosso voto tem pouco ou nenhum poder de decisão sobre o futuro das cidades brasileiras. As principais decisões sobre nosso futuro são tomadas em reuniões e jantares dos políticos burgueses com as empresas capitalistas. Ao contrário da força do voto, o que prevalece na democracia dos ricos em que vivemos é a força do dinheiro. Como as organizações de trabalhadores podem concorrer de igual para igual com as máquinas eleitorais dos grandes partidos financiados pelos empresários? Além disso, as leis antidemocráticas que regem o processo eleitoral não permitem que os trabalhadores e estudantes que participaram dos processos de lutas dos últimos anos se lancem candidatos de forma independente, e impede que as novas organizações de trabalhadores, assim como sindicatos, comissões de fábrica e movimentos populares lancem seus próprios candidatos. A única forma dos trabalhadores lutarem verdadeiramente pelos seus interesses é confiando apenas em suas próprias forças, se organizando de forma independente dos patrões e recorrendo aos seus próprios métodos de luta.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)