FT-CI

Argentina - 24 de Março

A esquerda ganhou a ’Plaza de Mayo’

30/03/2012

Por Fernando Rosso, PTS Ruth Werner, PTS


No 24 de março (dia em que há 36 anos se deu o golpe militar na Argentina) milhares de companheiros e companheiras convocados pelo Encontro Memória, Verdade e Justiça e pela esquerda, nos fizemos presente na histórica Plaza de Mayo e nas cidades mais importantes do país.

Na Cidade de Buenos Aires, a Frente de Izquierda apresentou a coluna mais importante, que contou com a Assembléia de Intelectuais de apoio ã FIT, o PO, Izquierda Socialista e nosso partido, o PTS. Também marcharam com o Encontro, milhares de companheiros independentes. Não só se exigiu o cárcere para os genocidas. Também se denunciou que este governo promoveu a Lei Antiterrorista, acumula já mais de 18 mortos por lutar (só no último ano e meio), e tem o maior número de processados, desde a queda da ditadura. A marcha opositora foi similar em convocatória ã dos organismos oficialistas e até "Página/12" [um dos maiores órgãos de imprensa argentina] teve que reconhecer este feito. Por que a esquerda ganhou a praça? Porque o governo kirchnerista tem uma crise, especialmente com seu flanco "progressista". O discurso dos intelectuais de Carta Abierta [1] chamando a apoiar ao kirchnerismo para aprofundar o "modelo" terminou apontando o poder de um governo que busca baixar o salário operário, manter a precarização do trabalho e incrementou, da mão da "segurança democrática" da Ministra Garré, a perseguição aos lutadores e ã esquerda. Basta ver as paritárias e as declarações de qualquer funcionário, para compreender que a dinâmica é em direção ao "ajuste". Os tetos salariais, a impunidade para os responsáveis do massacre de Once [2], o ataque aos professores, a Lei Antiterrorista, o apoio descarado ã miséria a céu aberto, já não se podem esconder com discurso a favor da "soberania" em Malvinas ou com tímidas medidas, como a retirada de algumas concessões de YPF [petrolífera antigamente estatal e hoje nas mãos da Rapsol]. Tampouco se sustenta o lema de "apoiar o bom e criticar o mal", que serviu como argumento para que a chamada "esquerda independente" apoiasse veladamente o governo.

Ante esta realidade do kirchnerismo, a oposição só apresenta sua própria impotência. Sobretudo para a centro-esquerda. O que se pode oferecer a FAP [Frente Ampla Progressista] de Binner e de Víctor De Gennaro? O governo "socialista" de Santa Fe acaba de iniciar sua própria agenda de "ajuste", tem um dos índices mais altos de trabalho ilegal e segue impune o assassinato de Silvia Suppo. Para não falar da crise que arrasta o Proyecto Sur de Pino Solanas e o MST de Vilma Ripoll, que vem de uma derrota política nas eleições. A Frente de Izquierda realizou uma importante eleição no passado 23 de outubro, e começa a aparecer como uma alternativa, em parcela dos lutadores e da juventude. Assim o demonstram as distintas praças este 24. Isto não é casual, a esquerda esteve presente na luta pelas liberdades democráticas, denunciando o avance repressivo, quando a Comissão Interna de Kraft junto a Myriam Bregman do CeProDH e do PTS, e outros organismos de Direitos Humanos desmascararam a Nilda Garré, a "sua" gendarmería e a espionagem do "Projeto X". Em crisr como o massacre de Once, onde os delegados do Ferrocarril Sarmiento, os ferroviários da Bordó del Roca e outros setores antiburocráticos, impulsionaram uma combativa marcha pela renacionalização sem indenização de todos as linhas de trem sob gestão de trabalhadores e usuários. A esquerda também esteve nas paritárias docentes, promovendo a luta contra a traição de Yasky e Baradel. Assim como no difícil combate pela recuperação dos sindicatos na indústria, onde a esquerda e em particular o PTS, tem protagonismo, como nas chapas classistas da alimentação, gráficos ou saboneteiros.

O governo mede todo o tempo por onde avançar, e por onde não, porque sabe que a classe trabalhadora, se se a ataca de frente pode converter-se em um inimigo poderoso. A disputa pela CGT mostra até que ponto o kirchnerismo necessita da "paz social". A ofensiva para desbancar a cúpula da CGT mostra o quanto a teme o governo a quem foi um de seus agentes mais servis, Hugo Moyano. O medo é de que este faça seu próprio jogo e mova o vespeiro quando a crise capitalista mundial golpeie em cheio, ou estalem os limites próprios de um "modelo" que não resolveu nenhum dos problemas estruturais do país. Os lutadores operários e da juventude, temos que aproveitar este tempo e, nesse sentido, as conclusões políticas deste 24, colocam ã esquerda uma responsabilidade. Temos que fortalecer a Frente de Izquierda, a opção de independência de classe, que impôs sua presença na Plaza de Mayo. Mas também partindo de defender e desenvolver essa grande conquista que significa a FIT, há que abrir, entre os partido da Frente e os milhares que nos acompanharam na Plaza, um debate sério sobre a construção de um partido revolucionário unificado.

Desde o PTS batalhamos por arrancar a classe operária da influência da burocracia sindica, para que esta seja o eixo articulador de uma aliança com o povo pobre e oprimido. As condições de um país arruinado pelo "neoliberalismo", que o kirchnerismo continuou no essencial, a "sintonia fina" e as tentativas de avançar sobre as conquistas operárias, ao que se agrega um mundo capitalista em crise; inscrevem a perspectiva de situações explosivas. Quando esses choque seja inevitáveis, um partido com um programa e uma estratégia para vencer, será decisivo. Porque o que se enfrenta é o poder do Estado, a "banda de homens armados" que sustenta este sistema de exploração e opressão.

Abrir desde agora o debate sobre a construção de um partido revolucionário, implica clarificar programas e estratégias, basando-nos nas lições históricas e recentes (nacionais e internacionais) da luta de classes. Esta clarificação política está ligada intimamente ã ideológica. É necessário o "ajuste de contas" com as utopias reformistas, hoje em crise no mundo e contra o ecletismo teórico do amplo espectro do "autonomismo" impotente, que obrigam ã revitalização do marxismo e do trotskismo como seu verdadeiro continuador. Na "arte" do convencimento com flexibilidade tática e intransigência estratégica, está a possibilidade para a esquerda que se reivindica revolucionária de emergir e se desenvolver neste marco político, assinado pelo retrocesso do governo.

O "Cromañón ferroviario" [3], foi só um sintoma das consequências do fim do "nunca menos" e fez surgir o ódio de setores empobrecidos, que não vai desaparecer porque justamente está ancorado nos padecimentos cotidianos das vítimas do "modelo". A emergência generalizada do ódio de classe, a experiência da classe operária com o governo, os partidos patronais, a burocracia e as correntes reformistas, a partir de suas próprias lutas, colocará abertamente a possibilidade de construir um grande partido revolucionário capaz de jogar um papel de condução das amplas massas para uma saída anticapitalista e socialista. A tarefa de hoje é impulsionar a construção de uma força militante revolucionária, que além de conquistar posições na classe operária e na juventude, prepare-se para estes momentos convulsivos.

[1] espaço de intelectuais kirchneristas ditos ã esquerda do governo

[2] se refere ao massacre no último fevereiro na estação ferroviária Once que deixou 49 mortos

[3] analogia entre o massacre em uma discoteca próximo ã estação Once que deixou 194 mortos em 2004 e mais de 1400 feridos, com a massacre do Once agora

29-03-2012

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)