FT-CI

11de setembro de 1973

Chile: Um golpe contra os trabalhadores e o povo

13/09/2007

Relembramos alguns fatos e lições cruciais na memória histórica da classe operária a 34 anos do sangrento golpe patronal encabeçado por Augusto Pinochet, quando o governo da Concertación (governo atual de Michele Bachelet) lança mais de 1.500 efetivos das Forças Especiais para cercar a Casa de Governo contra as mobilizações.

Em 11 de setembro de 1973 foi orquestrado o sangrento golpe de Estado no Chile, no qual Pinochet, a patronal, os militares, o imperialismo ianque, a igreja, a mídia, a justiça e a direita junto ã Democracia Cristã (DC) - partido patronal com peso nas classes médias-, se organizaram contra os trabalhadores e o povo pobre, os verdadeiros protagonistas do ascenso dos anos 70, culminando na queda do governo da Unidade Popular (UP) e Salvador Allende. Seu objetivo foi liquidar a possibilidade histórica de que os trabalhadores avançassem na experiência com os Cordões Industriais, como organismos de auto-organização e de poder operário, e em progressivo questionamento ao governo de Allende e da UP, que em três anos, começava a mostrar que sua política de via pacífica ao socialismo almejava a conciliação de classes e não a luta por uma república de trabalhadores, sem patrões.

Teve, portanto, um caráter profundamente anti-operário e contra-revolucionário, já que o que estava em jogo era a possibilidade da revolução no Chile, o que explica a ferocidade com que foram perseguidos e reprimidos os trabalhadores e os militantes operários e populares, a esquerda em geral, com a desaparição, a tortura massiva, a perseguição, o exílio, bem como as enormes transformações econômicas, políticas, sociais e culturais neoliberais implementadas por Pinochet, o braço chileno do imperialismo.

Os Cordões Industriais e a política reformista

O triunfo de Allende e da UP em 1970 evidenciava o giro ã esquerda e o crescente ascenso operário e popular que já levava vários anos. A UP foi um governo clássico de frente-popular, no qual partidos com peso na classe operária, como o Partido Comunista ou o Partido Socialista, junto a partidos representantes dos interesses da burguesia média e pequena, como o Partido Radical, tinham uma estratégia de reformar o capitalismo e impulsionavam políticas desenvolvimentistas que se inclinavam ã conciliação de interesses entre os trabalhadores e seus inimigos de classe, o empresariado. Mediante acordos com partidos como a DC, tais como o Estatuto de Garantias Constitucionais, os gabinetes cívico-militares ou as políticas para conter a expropriação de fábricas e a extensão dos cordões industriais, na tentativa de subordiná-los ã Central Unitária de Trabalhadores, controlada pelo Partido Comunista, a defesa de uma via pacífica ao socialismo desarmou a classe operária frente ã contra-revolução.

Mas os trabalhadores e o povo, pouco a pouco, começaram a fazer uma experiência com este governo, constatando pelos fatos que se tratava de um freio frente ã possibilidade destruir o sistema que gera a exploração - o capitalismo -, de enfrentar os proprietários dos meios de produção, e de se preparar para defender suas conquistas e resistir ã reação. Uma das expressões máximas da combatividade e do nível de experiência e organização dos trabalhadores chilenos foi a criação dos Cordões Industriais a meados do ano 1972. Após uma paralisação organizada pela patronal e pelos caminhoneiros em outubro desse mesmo ano, os Cordões se estenderam e se massificaram. Agregam diversos sindicatos de uma mesma zona ou bairro; ainda que em um primeiro momento, suas tarefas sejam pautadas na solidariedade, avançam rapidamente no sentido de organizar a produção, enfrentar o desabastecimento promovido pela direita e pelo empresariado, chegando a se ocupar, inclusive, da distribuição e do controle de algumas fábricas, tendendo ã independência de classes ao questionar cada vez mais a serviço de que estava governo dos trabalhadores até o momento. Quanto ao seu método de funcionamento, a base era constituída de delegados de fábrica eleitos para o Cordão e as assembléias, empregando o método da democracia direta e da auto-organização. Em seu interior, participavam os diferentes partidos, que disputavam suas distintas estratégias políticas.

No “El Cordonazo”, órgão de imprensa do Cordão Industrial Vicunha Mackenna, referia-se aos cordões como “porta-vozes do sentir das bases proletárias, organismos nascidos no calor da luta contra a burguesia e o reformismo”, que “defendem seus pontos de vista de acordo com o processo que vive nosso país para chegar ao socialismo” sendo “necessário, em primeiro lugar, derrotar o capitalismo explorador”. Para isso, alegavam ser necessário ter “pleno domínio dos meios de produção e distribuição sob o controle operário (...) Porque aqui se trata de uma luta entre explorados e exploradores (...) Sem o controle operário dos meios de produção e distribuição, não haverá processo revolucionário ou socialismo” (El Cordonazo, 19/7/1973).

Luta de estratégias: reforma ou revolução?

Em 5 de setembro de 1973, a Coordenação de Cordões Industriais envia uma carta a Allende. Entre outras coisas, estabelece que “nós trabalhadores sentimos profunda frustração e desalento quando seu presidente, seu governo, seus partidos, suas organizações, lhes ditam a todo instante a ordem de se conterem, ao invés de avançar”. Mostra-se evidente aqui a confiança no governo, mas também a experiência com a política de reformas e conciliação de classes da UP, que os trabalhadores reunidos nos cordões começavam a identificar com o reformismo. A mesma carta aponta, com impressionante clareza, que “há só duas alternativas: a ditadura do proletariado ou a ditadura militar”, e que “o reformismo... é o caminho mais rápido para se chegar ao fascismo” (Carta da Coordenação de Cordões a Allende, 5/9/1973).

Os trabalhadores avançaram ao questionar a política da UP, o que projetava a possibilidade objetiva de superação. Como bem disse a carta dos cordões, a alternativa era ou revolução socialista ou fascismo. E a política do reformismo do PS e do PC não era mais que a última carta da manga para evitar um governo operário, o que representou um obstáculo para os trabalhadores. Por fora da UP, com um discurso mais de esquerda, o MIR (Movimento de Esquerda Revolucionária) também cumpriu um papel de contenção ao desenvolvimento dos cordões como alternativa de poder, devido a sua estratégia de dissolver a classe operária no povo, tirando seu conteúdo operário, para subordiná-los aos comandos comunais entre ouros pontos.

Por isso, a grande conclusão que decorre do processo da revolução chilena e de sua derrota é a necessidade de construir um partido de trabalhadores, revolucionário, que lutasse por uma política de independência de classe, de desconfiança sistemática nos empresários, nos seus partidos e instituições, que impulsionasse a construção e a extensão dos cordões como órgãos embrionários de poder operário, entre outros pontos.

A herança da ditadura e sua continuidade na Concertação e na direita

As políticas implementadas pela ditadura encontram ressonância nas políticas da Concertación e da direita, que para além de algumas mudanças cosméticas, em essência, continuam as mesmas. Outrora, como atualmente, os patrões, o imperialismo e suas instituições - os partidos políticos patronais, a mídia, a igreja ou a justiça- defendem seus interesses: seja com a ditadura ou sob a forma da democracia para ricos. Tanto uns, como os outros estão unidos para explorar o trabalhador, o que pode ser ilustrado pela recente greve florestal - cujos proprietários são um dos grupos econômicos mais importantes do país - em que foi assassinado o operário Rodrigo Cisternas, primeiro trabalhador assassinado pela repressão policial desta “democracia”.

A herança da ditadura de Pinochet e de seus aliados é vivida todos os dias: na impunidade com que a patronal explora os trabalhadores, o saque ás riquezas naturais, os salários de fome, a destruição de direitos como a saúde ou a educação, o antidemocrático sistema eleitoral binominal, a impunidade dos militares genocidas e repressores (Pinochet morreu livre!), a fragmentada estrutura sindical imposta pela ditadura, a perseguição e repressão ás lutas operárias ou a militarização da cidade para impedir as marchas, como por exemplo, a que estava convocada em repúdio ao golpe de Estado. Esta herança ganha corpo com Bachelet no governo ou com o empresário Piñera e seus amigos da direita na oposição, pois ambos querem defendê-la e aprofunda-la. Não obstante, os trabalhadores e o povo pobre começam a questionar cada vez mais ativamente estas políticas, em um processo de recomposição de suas forças - com avanços e retrocessos - de maior atividade da luta de classes, de greves em setores estratégicos como o cobre ou os trabalhadores florestais, questionando, por exemplo, a terceirização, o trabalho precário, que divide os trabalhadores de primeira e de segunda categorias, ou o problema da negociação coletiva, onde os trabalhadores começam a retomar seus métodos tradicionais de luta, como a greve ou incipientemente a ocupação de alguns locais de trabalho.

Para retomar a experiência dos cordões industriais e avançar na resolução dos problemas dos trabalhadores, é necessário construir um partido revolucionário de trabalhadores, que almeje acabar com a herança da ditadura das políticas da Concertación e da direita, que lute por uma estratégia de independência de classe, enfrentando as políticas da conciliação entre trabalhadores e empresários, retomando a experiência de democracia direta e auto-organização dos cordões industriais.

Para saber mais: O que é a Concertación?

Concertación é a abreviação de Concertación de Partidos por a Democracia, também conhecida ultimamente como Concertación Democrática. Nascida originalmente como Concertación de Partidos por el No para se opor ã continuidade do regime militar encabeçado por Augusto Pinochet, é hoje uma coalizão de partidos políticos do Chile, da qual fazem parte os social-democratas e democratas-cristãos. Tem quatro partidos principais: Partido Demócrata Cristiano (PDC), Partido por la Democracia (PPD), Partido Radical Social Demócrata (PRSD), Partido Socialista (PS), este último da atual presidente Michele Bachelet.

  • TAGS
Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)